stalin 1 

Amor, tirano amor, por Bruno

Todos zanzavam e sussurravam pela sala de jantar. Como baratas tontas que não encontram uma direção certa. Procuravam a melhor maneira de informar ao seu líder um acontecimento terrível.

A governanta chama por sua ama pela manhã. Preocupada após inúmeras batidas na porta e nenhuma resposta vinda do quarto, ela provavelmente força a fechadura e encontra o corpo no chão, com uma arma caída ao seu lado e o rosto levemente virado para a direita em meio ao sangue. Apavorada, corre em direção aos poderosos do Império informando-os da tragédia. Aqueles homens parrudos, munidos de mausers esbanjando segurança, agora tremiam as pernas.

De repente todos se silenciam. Um sujeito baixo adentra o cômodo. É Joseph Stálin, líder supremo da União Soviética, o Comissário do Povo que dormia no quarto ao lado, o motivo da apreensão daqueles que ali estavam. Foi Ienukidze, seu velho amigo, que lhe deu a notícia quase num súbito desesperado: "Ióssif, Ióssif, Nádia está morta!". Nádia era a esposa de Stálin que havia se suicidado horas antes no seu quarto.

O homem de aço

Aquele homem com "olhos negros brilhantes", com marcas de varíola no rosto, e o braço esquerdo quase paralisado pela vida clandestina de agitador marxista e gângster georgiano, era o responsável direto por 25 milhões de mortes causadas por sua política de colheita na Ucrânia e os expurgos que fuzilaram seus antigos amigos bolcheviques num surto de paranóia sem precedentes. Com as costas curvas, como se suportasse o peso do mundo, em meio a ataques de raiva contra seus próximos e sentimentos de culpa que beiravam o desespero, o homem de aço caiu em profunda tristeza. Em suas mãos estava a pistola que tirou a vida de sua esposa. Arrasado, murmurava ao observar seu corpo.

Nádia provavelmente não suportara conviver com Stálin, homem devotado à política e negligente à família que cultivava um egotismo sufocante àqueles que com ele conviviam. Nádia também não era mulher fácil de se dar, capaz de deixar o czar vermelho encolhido num canto do banheiro enquanto ela tinha mais um de seus ataques de raiva. Tempos atrás, foi a jovem esposa de Stálin, Kató, que sucumbiu diante a fraqueza com apenas 22 anos, deixando o futuro líder dos países socialistas sem rumo e despedaçado.

Há quem diga que essas duas tragédias forma cruciais para a vida de Stálin. Kató, sua primeira esposa, transformou seu coração em pedra quando faleceu; Nádia, por sua vez, fez com que após sua morte os "tempos felizes" no Kremlin chegassem ao fim. Stálin quer desistir de tudo, aquela fonte de energia inesgotável está moribunda, desejosa por um fim. "Não chore papai", disse Vassíli, filho de Stálin, ao segurar aquela mão que lhe deu pouco afeto e destruiu sua família por sua vida política.

Historiadores não gostam de uma leitura que aproxime os tiranos dos outros mortais, parecem se assustar com a proximidade de seus pensamentos com as ideologias que germinam na sociedade ou que reascendem com o passar do tempo. Quão simples aqueles desprovidos de humanidade. Seus atos terríveis contra seus povos estão longe de ser atribuídos a seres insensíveis ao sentimento das massas. Monstros são homens, e apresentam o lado mais obscuro que o fanatismo, tão próximo a nós, pode chegar. Numa longa estimativa, quando consentimos com homens dessa estirpe, também somos monstros.

stalin 2

Bruno é autor do blog Temporário, no qual publica seus pensamentos e reflexões com sólidas referências históricas e poesia singular nas dissertações. É também, a partir de hoje, o segundo colaborador externo do Conto do Galo.

18 comentários:

lembra muito o Hitler, e eu li 1 reportagem falando do lado humano dele. Por incrivel q pareça nunca tive contato c o q ele fez d mal

eita poha ..

eita poha... [2]
conseguiu um bom colaborador, um pouco a mais de cultura pro blog nunca faz mal.

To seguindo seu blog viu!
Qndo puder, retribua visita. :)

Oi, o se blog é muito diferente :o Eu gostei das coluninhas extras!
Boa sorte com o blog!

Olá!

Há histórias estarrecedoras de Stálin, que era um sujeito terrivelmente desconfiado de tudo e de todos. Trotski que o diga. E outros "kamaradas" também.

Essa imagem que ilustra o ínicio do seu post é um bom exemplo de como o fanatismo transforma aqueles que seguem líderes extremamente doentes como Stálin.

As tragédias, muitas vezes, servem como justificativas para atos insanos.

E assim muitos fizeram.E muitos concordaram e apoiaram.

abs!

Stalin!

Então podemos ver que o que este homem fazia com os outros provinha de uma dureza no coração? O homem endurece conforme seu coração endurece. Isso eu aprendi na Bíblia. ^^

Quando tenta-se matar um monstro vc acaba de se tornando um.

Mas que Stálin era um homem que se deixou levar pela ambição isso eu tenho certeza.

To mandando por esse para não estragar o comentário...

http://www.apostoladoshema.com/2009/07/esclarecimento-da-congregacao-para.html

To te seguindo ok? Ta como guilherme, mas sou eu.

ia enviar um texto meu, mas depois desse desisti.amanhã comento aqui direito

Stalin...

unica materia que eu gostei de historia foi sobre a revolução Russa!

muito boa a história e comovente tb!

puta que o pariu, muito bom.

cara, vou até seguir teu blog! são poucos os blogs que achamos por aí com textos dessa qualidade! muito bom mesmo! a propósito, o template também tá foda, nunca tinha visto esse tipo de organização num blog, e ainda com essa foto perfeita de NY. show de bola!

Ótimo texto! Não sou muito bom de história mas pelo que sei o cara era sinistro!
Forte abraço do Saci e sucesso!!!

Gostei, você conseguiu me explicar um pouco de história sem eu dormir hehe

Você escreve bem, e adorei o layout.

Beijos, Carol

Rússia na cabeça! pesar das atrocidades (e qual governo não o fez?), conseguiram por muito tempo "atrapalhar" o sonho americano.

abç
Pobre esponça

Excelente texto rapaz.
Blog novo?Tem futuro hein!

Vou segui-lo no twitter.Ok?

www.teoria-do-playmobil.blogspot.com

Caraca...mto bom o texto. Realmente os ditadores e tiranos desse mundo ainda existem .

Blog: Cultura Dinâmica - www.culturadinamica.wordpress.com

Caio, me adiciona no msn rubensrodrigues_1@hotmail.com

Me fez lembrar um filme que vi ontem sobre a Guerra Fria. Dr. Fantástico, de Staley Kubrick.

Caio, tem um selo lá no Poesia Inconstante pra você,pega lá!

Sobre o Conto do Galo

O Conto do Galo é um blog de contos, crônicas, reflexões e opiniões, mas não é o blog de uma só pessoa. A proposta principal aqui, para além de publicar meus próprios textos, é dar a chance a quem tem talento de ganhar um pouco mais de visibilidade, mesmo que essa pessoa já tenha um certo número de pessoas que conhecem seu trabalho. Publicar textos, dando o devido crédito, a gente que merece esse espaço para se expressar. É um espaço livre para opiniões, dissertações e tudo o mais. Espero contar com o apoio de todos vocês nessa nova empreitada!

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget