A Dama do Tempo, por Vinícius “V” Cortez

Quando a dama do tempo o prendeu em cadeias e o jogou numa gaiola suspensa, admirou por um instante (infidistante) a sua obra, girando por entre os dedos uma chave de ouro. Porque ela era belíssima, a sua obra; ainda mais agora, trancada, rendida à sua contemplação.

Contemplou-a portanto o tempo que podia – e, como nunca ele, o tempo, lhe faltava, viu a criaturinha enjaulada crescer em tamanho e em inquietação: pois parecia que nada crescia tanto naquele corpo prisioneiro como os olhos e a testa. A boca, já cheia de dentes, ao se abrir em contorções forçava a dama a se levantar depressa do seu lugar e a erguer a chave chave ao ferro da gaiola, circundando-a acompanhada pelo som de uma cantiga metálica: tin, tin, tin... – e era sempre observada pelo olhar sedento da criaturinha, que vez ou outra alongava os braços, como a tentar apanhar a chave dourada.

A dama ia girando e girando ao som de sua canção, até que um dia não foram os gritos nem olhares famintos nem contorceres de mãos que a surpreenderam na sua dança: simplesmente não houve resposta.

Foi ela então quem gritou, esperneou, sacudiu a gaiola, apoiada em suas barras – inutilmente, a criatura não se mexia. E foi ela então que abriu a portinhola, puxou pela perna seu brinquedo, tapeou seu rosto, arranhou sua barriga, puxou seus cabelos brancos, mas nada disso funcionou; resolveu finalmente chegar seu rosto ao da criatura e assim a escutou dizer baixinho, baixinho:

- Tic-tac, tic-tac, tic...

Isso a dama não podia aceitar. Colérica, ela arrancou o seu brinquedo (ou o que restava dele) para fora da jaula e entrou ela mesma, trancando-se com a chave de ouro e a engolindo em seguida. Dizem que ainda hoje, quando não há lua no céu, mas apenas muitas memórias, alguns veem a dama balançando tristemente em sua prisão, sem descanso – porque nunca ele, o tempo, lhe falta.

Já eu com os meus próprios olhos nada vi, mas tenho certeza de que, se pudesse chegar a essa sala onde está trancada a dama do tempo, seria recebido por uma batida conhecida, bem hipnótica, ecoando pelas paredes:

- Tic-tac, tic-tac...

Vinícius Cortez, ou simplesmente V, é autor do blog O Quasar, onde publica contos, pensamentos e reflexões sobre nossa vida cotidiana. A partir de hoje, é também o terceiro dos colaboradores externos a entrar para a lista do Conto do Galo.

4 comentários:

Este comentário foi removido pelo autor.

Gostei daqui!
A menina do balaio, consegui imaginá-la completamente embaixo do eucalipto... A catarse foi simplesmente fantástica! A que eu mais gostei sinceramente.
E a dama do tempo...bom as coisas mudam, o caçador vira a caça... Enfim, está ótimo!
Quanto ao teu comentário no meu blog, concordo! O que tu falou sobre todos nós termos esse "desejo indiscreto de saber", acho que faz parte da capacidade de apesar do tempo, continuar a se admirar com as coisas.
Conversaremos!
Abraço

Já acompanho os textos do V faz um bom tempo, é muito bom vê-lo participando dessa bela iniciativa que é o "O Conto do Galo". Parabéns amigo!

Nossa que template bonito! Gostei da postagem!!! Sucesso!

Abraços!

http://neowellblog.wordpress.com

Sobre o Conto do Galo

O Conto do Galo é um blog de contos, crônicas, reflexões e opiniões, mas não é o blog de uma só pessoa. A proposta principal aqui, para além de publicar meus próprios textos, é dar a chance a quem tem talento de ganhar um pouco mais de visibilidade, mesmo que essa pessoa já tenha um certo número de pessoas que conhecem seu trabalho. Publicar textos, dando o devido crédito, a gente que merece esse espaço para se expressar. É um espaço livre para opiniões, dissertações e tudo o mais. Espero contar com o apoio de todos vocês nessa nova empreitada!

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget